Como ser um missionário no Sertão?

Como ser um missionário no Sertão?

Não é difícil conversarmos com pessoas que desejam contribuir com a obra missionária no sertão e, não ouvirmos a pergunta: – Como ser um missionário no Sertão Nordestino?

O Sertão Nordestino tem sido um dos grandes desafios da igreja brasileira nesta última década. Não é à toa que um número crescente de missionários e voluntários, tem se dirigido ao sertão nordestino em busca de alcançar esse povo tão esquecido pela igreja brasileira.

Toda vez quando alguém me faz esse questionamento, sempre posiciono três pontos essenciais para aqueles que desejam ser missionários no sertão nordestino.

1 – Ter recebido uma direção de Deus.

É comum nos dias atuais, em uma geração hedonista, pautar a obra missionária por um simples desejo ou por seguir um fluxo de uma “moda” atual. Porém acredito que as escrituras nos da um bom exemplo de como a obra missionária acontecia na igreja primitiva, e como podemos tê-la como modelo para nossas ações missionárias. Por diversas vezes, o Apóstolo Paulo foi direcionado pelo Espírito para onde ele deveria ir, com isso produzindo frutos que permaneciam, mesmo quando as condições eram grandemente adversas.

Acredito que Deus continua direcionando sua igreja para os campos missionários, que inclui o Sertão Nordestino. Com isso, sei também que é fundamental entendermos a direção de Deus quando se trata de missões.

Durante esses mais de dez anos trabalhando no Sertão e Oeste da África, encontrei várias pessoas que vieram ao Sertão por terem visto uma oportunidade de servir em missões, outros por uma ordem da igreja na qual faz parte, outros por fuga, outros por ser a única oportunidade que apareceu, e também encontramos alguns que receberam de Deus uma palavra para virem e doarem suas vidas para alcançar o povo sertanejo. O que é interessante, é que a longo prazo, poucos “sobreviveram” ao tempo, as dificuldades, a falta de recursos, ao abandono da igreja enviadora. Em contra partida, aqueles que receberam uma direção de Deus, mesmo sofrendo e passando por todas essas circunstâncias, permanecem firmes no trabalho e os frutos chegam e permanecem, mesmo após a saída do indivíduo de seu campo de atuação.

Não tenho dúvidas que o chamado e a direção de Deus para um determinado campo são fundamentais para a permanência do missionário lá. Lógico que não descartamos os demais cuidados que envolve o envio missionário para que essa permanência seja efetiva, mas a convicção de que Deus nos quer naquele lugar é fundamental.

2 – Treinamento Específico para aquele campo.

Dificilmente um missionário que vai ao campo transcultural chega lá sem um treinamento adequado, contextualizado e voltado para aquele público alvo. Se observa a língua, cultura, crenças religiosas, políticas, sociais, econômicas, eclesiológicas e vários outros pontos, para que se busque um melhor resultado daquela ação missionária.

Mas é interessante que quando se trata do Sertão Nordestino, ainda encontramos pessoas que acham que podem vir servir nesse contexto sem um preparo e uma capacitação para tal. Isso dificulta gigantescamente a adaptação, alcance e relacionamento com o povo a ser alcançado, no caso o sertanejo.

Hoje existem diversas escolas de missões voltadas para o sertão em todo o Brasil e devemos observar se essas escolas abordam, com qualidade, os detalhes que envolve o alcance do povo sertanejo.

Apesar de estar no território brasileiro, o povo sertanejo possui uma vasta diferença cultural, linguística, religiosa, política dentre outras e principalmente se olharmos para as comunidades rurais espalhadas por todo o sertão. Como poderíamos entender o envio de missionários para essa região tão complexa, sem um preparo anterior? Dependendo apenas do velho ditado, “Chegando lá o cabra aprende a comer.”

Temos que aproveitar a facilidade tecnológica dessa geração e buscarmos locais para treinamentos específicos para o sertão nordestino, isso vai lhe ajudar a construir projetos que vão permanecer frutificando mesmo depois da saída dos missionários.

 

Aqui quero fazer uma ressalva sobre a Missão Esperança e Fé, uma agência missionária que tem treinado e formado novos missionários para o plantio de novas igrejas no Sertão Nordestino, principalmente entre as cidades menos alcançadas dessa região.  Aqui você pode encontrar mais informações sobre um desses treinamentos voltado para a formação e preparo de missionários ao sertão. 

3 – Cobertura de uma igreja e se possível de uma agencia missionária.

O lobo solitário é aquele que deixa sua alcateia para viver uma vida solitária e isolada. Desta mesma maneira, existem aqueles missionários que acreditam que podem viver seu chamado independentes da igreja. Não prestam relatórios, não tem a quem prestar contas, não precisam dar satisfação a ninguém do que é feito e de como é feito o trabalho missionário. Desses “missionários” fuja, e caso você se encontre nessa situação, peço que continue a ler esse artigo e busque uma solução.

A imprescindível participação da igreja, juntamente com o missionário no campo de atuação, seja no sertão, África ou em qualquer lugar do mundo, é fundamental para a saúde emocional, fortalecimento e cuidado tanto do missionário como de sua família.

Muitos se aventuraram nessa odisseia de missões independentes e sempre o fim é o mesmo, famílias destruídas, escândalos no ministério e trabalhos que não glorificam ao nome de Deus. Sempre que tenho oportunidade de falar a novos vocacionados, fortaleço a visão de que é fundamental a participação da igreja no processo missionário.

Talvez você tenha sido abandonado, maltratado, esquecido por alguma parte da igreja, mas isso não quer dizer que toda a igreja seja negligente desta forma. Devemos buscar a cobertura pastoral de uma igreja que verdadeiramente cuide não apenas do missionário, mas também se sua família no campo.

Não caia no erro de achar que pode andar nesse caminho sozinho e acabar como vários outros que sozinho pereceram.

Vários outros pontos podem existir e várias outras dúvidas podem surgir, quanto ao ponto de como posso ser um missionário no sertão nordestino. Se você deseja fazer uma pergunta ou tem alguma dúvida sobre como você pode ser um missionário no sertão, deixe seu comentário logo abaixo que responderemos.

Um forte abraço, #TamoJuntoNaMissão #JuntosSomosMaisFortes

Miss. Rodrigo Bellaguarda

Presidente da Missão Esperança e Fé – MEF